domingo, 8 de dezembro de 2013

Muro de Berlim, construção e queda

Em 13 de agosto de 1961, guardas da Alemanha Oriental começaram a separar com arame farpado e concreto os lados oriental e ocidental de Berlim, isolando Berlim Ocidental dentro do território da Alemanha Oriental.

Início da construção do maior símbolo da Guerra Fria

O funcionário do Serviço de Defesa da Constituição de Berlim que estava de plantão no segundo final de semana de agosto de 1961 não esperava ocorrências extraordinárias. Mas já na madrugada de sábado para o domingo, dia 13, ele foi surpreendido à 1h54 pela notícia de que o tráfego de trens entre Berlim Ocidental e Berlim Oriental fora suspenso.

A abrangência do fato, porém, só ficou clara quando o dia amanheceu. A República Democrática Alemã (RDA) dera início à construção de um muro entre as duas partes de Berlim, cortando o acesso de 16 milhões de alemães ao lado ocidental. "A fronteira em que nos encontramos, com a arma nas mãos, não é apenas uma fronteira entre um país e outro. É a fronteira entre o passado e o presente", era a interpretação ideológica do governo alemão oriental.


Queda após 28 anos

A RDA via-se com razão ameaçada em sua existência. Cerca de 2 mil fugas diárias haviam sido registradas até aquele 13 de agosto de 1961, ou seja, 150 mil desde o começo do ano e mais de 2 milhões desde que fora criado o "Estado dos trabalhadores e dos camponeses". O partido SED puxou o freio de emergência com o auxílio de arame farpado e concreto, levantando um muro de 155 quilômetros de extensão que interrompia estradas e linhas férreas e separava famílias.

Ainda dois meses antes, Walter Ulbricht, chefe de Estado e do partido, desmentira boatos de que o governo estaria planejando fechar a fronteira: "Não tenho conhecimento de um plano desses, já que os operários da construção estão ocupados levantando casas e toda a sua mão de obra é necessária para isso. Ninguém tenciona construir um muro".

Nos bastidores, porém, corriam os preparativos, sob a coordenação de Erich Honecker e com a bênção da União Soviética. Guardas da fronteira e batalhões fiéis ao politburo encarregaram-se da tarefa. Honecker não tinha a menor dúvida: "Com a construção da muralha antifascista, a situação na Europa fica estabilizada e a paz, salvaguardada".

As potências ocidentais protestaram, mas nada fizeram. Para os berlinenses de ambos os lados da fronteira, a brutalidade do muro passou a fazer parte do cotidiano. Apenas 11 dias após a construção, morreu pela primeira vez um alemão-oriental abatido a tiros durante tentativa de fuga. A última vítima dos guardas da fronteira foi Chris Gueffroy, morto em fevereiro de 1989.


Reação às fugas

Até 1989, o Muro de Berlim foi o símbolo por excelência da Guerra Fria, da bipolarização do mundo e da divisão da Alemanha.

Ainda no início de 1989, Honecker, no poder desde 1971, manifestava confiança em sua estabilidade: "O muro ainda existirá em 50 ou em cem anos, enquanto não forem superados os motivos que levaram à sua construção".

Apenas dez meses depois, em 9 de novembro daquele ano, os habitantes de ambas as partes da cidade caíam incrédulos nos braços uns dos outros, festejando o fim da muralha que acabou sendo derrubada pouco a pouco e vendida aos pedaços como suvenir.

Menos de um ano depois, o país dividido desde o fim da Segunda Guerra foi unificado, mas a verdadeira integração entre as duas partes é um processo que ainda não terminou.


1962: Peter Fechter morria ao tentar pular o Muro de Berlim

Em 17 de agosto de 1962, jovem de 18 anos foi morto ao tentar fugir para Berlim Ocidental pulando o Muro. Ele foi baleado por soldados de fronteira da Alemanha comunista e morreu de hemorragia na "zona da morte".


Atingido por tiros, jovem de 18 anos foi carregado por guardas de fronteira da RDA

O Muro de Berlim dividia a cidade há apenas um ano, quando um incidente chocou a opinião pública alemã. Sob o olhar de centenas de pessoas indignadas, o jovem alemão oriental Peter Fechter, de 18 anos, morreu baleado na chamada "faixa da morte", próxima ao Checkpoint Charlie. Junto com seu colega de trabalho de mesma idade, o pedreiro havia planejado fugir de Berlim Oriental para Berlim Ocidental.

Ele queria procurar sua irmã, que vira pela última vez pouco antes da construção do Muro. Por volta do meio-dia de 17 de agosto de 1962, eles tentaram executar o plano. Pularam a primeira cerca de arame farpado sem serem percebidos mas, quando corriam os últimos metros para chegar ao Muro, foram descobertos.


Morte acompanhada pela multidão

O colega conseguiu saltar o Muro sem ser ferido. Mas Peter levou vários tiros na barriga e nas costas e caiu a poucos metros do Muro. Centenas de berlinenses ocidentais chegaram perto do local e imploraram aos guardas de fronteira que socorressem o jovem gravemente ferido, mas ninguém fez nada. Os soldados da tropa de ocupação norte-americana não podiam intervir, e os guardas alemães orientais visivelmente esperavam uma ordem superior.

Os estojos de primeiros-socorros jogados por cima do Muro chegaram tarde para Peter Fechter. Por volta das 15 horas, ele foi recolhido, morto, pelos guardas de fronteira e levado para um hospital militar. O resultado da autópsia, mais tarde, seria destruído pelas autoridades. Os soldados responsáveis pela morte de Fechter receberam prêmios em dinheiro – como era comum.


Número desconhecido de vítimas

A construção do Muro de Berlim levou muitos alemães orientais a arriscar perigosas fugas, que frequentemente terminavam em fuzilamento pelos soldados de fronteira. No entanto, o cinismo do governo da República Democrática Alemã (RDA) não tinha limites. A direção do Partido Socialista Unitário não perdia oportunidade de usar o Muro para fins propagandísticos.

Mesmo anos após a queda da Cortina de Ferro, ainda não se sabe o número exato de mortos junto ao Muro e, a cada ano, surgem novos fatos que obrigam a atualização das estatísticas.

Não havia dúvida de que quem tentasse fugir seria fuzilado. No dia seguinte à execução de Peter Fechter, milhares de pessoas indignadas protestaram nas ruas de Berlim Ocidental. A polícia alemã oriental reagiu às manifestações junto ao Muro com bombas de gás lacrimogêneo.

Repetiu-se uma cena chocante, registrada poucos dias após a construção do Muro em 1961: diante das multidões exaltadas, o Muro teve de ser protegido pela polícia alemã ocidental.


A impotência dos aliados ocidentais

As potências ocidentais mantiveram sua posição intransigente de não intervir em casos como esses. Temiam que os soviéticos só estivessem à espera de um pretexto para se livrar da última responsabilidade comum: a manutenção da central de segurança aérea dos Aliados.

Isso teria consequências imprevisíveis para o tráfego aéreo entre a República Federal da Alemanha e Berlim, já que Berlim Ocidental estava "ilhada" no território da República Democrática Alemã, comunista.

Mesmo assim, a União Soviética aproveitou o caso Fechter para revogar um acordo que previa para Berlim o status de "cidade das quatro potências". Os soviéticos dissolveram sua administração militar municipal, demonstrando aparentemente que queriam conceder mais soberania à RDA.

Na realidade, porém, a Alemanha Oriental continuou tendo que prestar contas a Moscou sobre os acontecimentos em Berlim.



Fonte: Construindo História Hoje

Um comentário:

  1. acompanhei a trajetória infame e vergonhosa da construção deste muro até sua queda, e digo para todos que o mundo ainda esta longe de se ver livre de tantos outros muros invisíveis aos olhos mas reais como o muro da vergonha que caiu. caiu por interesses sócio econômico de uma parte falida que era a Alemanha Oriental e da vergonhosa ex união soviética. falida de vez..... mas infelizmente existem outros muros à nossa volta só não vê quem não quer.

    ResponderExcluir

Seu comentário será moderado. Para garantir aprovação, por favor:

- Seja educado.

- Tenha conteúdo.

- Não utilize CAIXA ALTA, pois prejudica a leitura de seu comentário.

- Comentários com proselitismo religioso NÃO serão aceitos. Para isso existem as igrejas.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...